mais sobre mim


Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2008
O Tejo que temos que atravessar

 

O Tejo é um rio demasiado grande para atravessar um país como o nosso, está visto e é bem certo. Não dispomos de meios financeiros para fazer o melhor aproveitamento do mesmo, nem sequer para lhe proporcionar alguma limpeza "técnica"... Claro que temos barragens, mas isso também é o mínimo... Quando chega a atravessar o rio é que as coisas se agravam, e por muito que vociferem, a verdade é que os transportes públicos são maus e ineficientes. O comboio tem ao seu redor parques pagos, e para quem como eu vive longe o suficiente da estação para não ser viável ir a pé, mas vive perto o quanto baste para não se justificar um passe quando ir de carro é mais rápido e mais barato, dada a distância... A avença do parque torna-se excessivamente cara, "matando" a opção comboio. A avença do parque até compensa , para quem trabalha em Entrecampos ou no Parque das Nações, nesse caso, efectivamente, as coisas funcionam, mas não é certamente ligando a Margem Sul a dois pontos de Lisboa que as coisas se resolvem.

Os barcos da Transtejo são uma anedota, desde o fim dos anos 80 que deixaram de ser apresentar sequer como uma opção credível, cada vez mais velhos, mais ou menos equipados em termos de tecnologia, com pontões a cair de podre e muitos atrasos, não há milagre que os salve, tendo em conta que até os barcos que transportavam carros acabaram em Cacilhas... O metro, bom esse tecnicamente não existe na Margem Sul, digamos que um lento eléctrico de superfície se move, atrasando a fila da ponto até mais não, vazio, gastando milhares dos cofres públicos inutilmente , numa anedótica ligação entre Corroios e a Faculdade, no Monte da Caparica , que ao contrário do que alguns esperavam, não acrescentou quaisquer passageiros a este inútil esbanjamento de verbas. O que é que nos sobra? Os autocarros da TST que realmente funcionam entre o Centro Sul e a zona do Marques de Pombal, sendo uma alternativa credível, com estacionamento difícil mas gratuito, e uma faixa de BUS que faz milagres, mas no meu caso, como não trabalho na "zona nobre" da cidade, lá se vai a alternativa por terra...

O mal não é só da Margem Sul, Lisboa também precisa e muito de transportes, sobretudo de Metro, na zona de Belém, Ajuda, Beato, Xabregas... No fundo, tudo o que fica da baixa até Belém, e tudo o que fica de santa Apolónia até ao Parque das Nações. Comboio , Metro, alguma coisa que se mova sobre carris... Que os autocarros neste caso não funcionam como deviam, e muito menos os eléctricos . A forma mais eficiente, rápida e ecologicamente correcta, é o carril, e nisso vamos com anos luz de atraso... Também a bicicleta e as pistas para as mesmas poderiam ser uma bela forma de tornar os nossos jovens mais saudáveis e não os enfiar nos autocarros e nos carros todos os dias, gerando uma mudança de mentalidades que há muito buscamos. esta simples medida aumentaria a prática desportiva, contribuiria para a diminuição da poluição, aumentaria a autonomia dos jovens, e sobretudo criaria a génese da cidade do futuro, com meios de transporte para pessoas e bicicletas, bem como forma de vencer a solidão das pedras da calçada, já que as ruas ficam desertas depois das 20:00h .

Mas não há visão... Nem por onde ela passe... Por isso, neste momento, a única alternativa útil e credível, que não passar por gastar dinheiro dos nossos impostos em coisas que não fazem falta a ninguém, é a construção de uma terceira travessia do Tejo, que a ser útil, a meu ver, sairia do Beato e acabaria no Barreiro ou no Seixal, mas também pode ser no Montijo, não vem daí mal nenhum ao mundo. Chelas não é o melhor ponto de partida, sobretudo através dos acessos planeados e projectados. O Beato é uma boa alternativa, com melhores possibilidades a nível de acessos, até porque já tem o Porto de Lisboa e a zona de cargas do mesmo, suportando melhor o tráfego gerado com uma estrutura desta envergadura. Não nos podemos esquecer que esta localização está condicionada por aquilo que já existe, não é como a Ponte Vasco da Gama que beneficiou da possibilidade de ser pensada em conjunto com a zona do Parque das Nações, com tudo feito de novo, previsto de raiz para ser assim. Esta nova travessia que creio que também será ferroviária irá, a meu ver, implicar a extensão do Metro até junto das imediações da mesma, para evitar mais comboio dentro de Lisboa, o que é um grande passo para o anfiteatro oriental de Lisboa e para a zona de Belém.

Já que anda tudo no Governo numa onda de agradar ao Veneno no que toca aos investimentos públicos, tratados e afins, podiam fazer a ponte a sair do lado Norte (Lisboa) do Beato... Se fizessem o favorzinho!

sinto-me: Uma terceira travessia :)
música: Simon And Garfunkel - Bridge Over Troubled Water
publicado por Conventodaalma às 19:01
link do post | comentar | favorito
|
pesquisar
 
posts recentes

Souvenir do tempo da II G...

Falha Grave do Monstrengo...

Entidades empregadores ch...

Pingo Doce: com menos de ...

Foi há 35 anos que o Rei ...

Agosto 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
18
19
20
23
24
25
26
27
28
30
31
comentários recentes
E estamos tão perto da final !! Entre França e Esp...
já vi que tens um blog para lavar a roupa suja do ...
EU QUERO CONTRIBUIR COM 15.000 LTS DE GASOLINA!! A...
Alguém que sabe o que fala! Não é não preocupando ...
Realmente, eu sou sincero, estou farto, estou fart...
Posts mais comentados
subscrever feeds
tags

todas as tags